quarta-feira, 15 de outubro de 2008

Galgando as ruas e os ares de Porto Alegre

Frenesi de cores, cheiros, formas, transeuntes...
Flores mortas, flores cor de cinza, flores pedra... pedras...
O cheiro pão-de-queijo do metrô, cheiro enfumaçado da partida...
O cheiro de peixe do mercado, incenso, pastel, almoço... carne crua e cozida...
Amarelo, cinza, vermelho, cinza, azul, cinza, cinza e mais cinza.

Lixo.

Cheiro de esgoto misturado com o da fumaça que sai daquele carro,
e daquele outro, e de todos os carros, quase mais que pessoas...
Não! Pessoas há muito mais, demais.
Pessoas úmidas, pesadas, empanturradas,
com pressa, sem pressa, atravancando, atropelando.

Vômito em frente à boutique, mendigo estorvando o caminho.
Mendigo querendo comer, ou beber...
vai saber... prefiro não arriscar contribuindo para o belo quadro social.
Natureza morta, morta mesmo.

Lixo.

Azar o da métrica, porque a métrica não convém.
- O que é métrica?
- Parente da tétrica.
Mas e o que é que convém?


[Por mim mesma, K.]

2 comentários:

Vagner Heleno disse...

desconfio que fizeste um prosa ou algo que convém... muito bom, srta.

Tunai Giorge disse...

.

Oi! Bem bacana...

.